Arquivo da tag: manual

Meios para divulgar você mesmo na busca de emprego

Uma das etapas da procura por um novo emprego envolve a produção de material para divulgar seu produto principal: você mesmo! Este é o momento em que você trabalha como se fosse uma agência publicitária, criando material para divulgar uma boa imagem do seu produto, com o objetivo de convencer os compradores (pessoas do seu networking, selecionadores, entrevistadores e pessoas com poder de decisão nas contratações) de que seu produto atende bem às necessidades do cliente (a empresa que poderá contratá-lo).

Em artigo anterior aqui no Manual da Recolocação, já orientamos você a reunir todas as informações sobre sua carreira para antes de você produzir estes materiais. Você não utilizará todas elas, mas selecionará as principais, que falem bem de seu produto e que sejam úteis para os seus atuais objetivos profissionais.

Neste artigo, vamos resumir cada material de divulgação que você precisará preparar para se divulgar às empresas e ao seu networking. Cada um destes materiais merecerá muitos posts dedicados inteiramente a eles no nosso Manual da Recolocação Profissional.

Currículo

O que é

É o mais “óbvio” dos materiais de divulgação, o primeiro em que todo mundo pensa na hora de buscar emprego. É um resumo sobre seu histórico profissional, que mostra basicamente em que cargo e área você deseja trabalhar atualmente – seu objetivo profissional – sua formação, cursos e suas mais importantes qualificações e realizações, que demonstrem da melhor maneira possível que você está plenamente apto para trabalhar no cargo que ele pretende.

Para que serve

A finalidade básica é despertar o interesse de um selecionador para uma entrevista com você. Simples assim! Ninguém consegue emprego somente com um currículo, mas consegue atrair o interesse de alguém que está selecionando pessoas para uma vaga, para aí participar de um processo presencial. Portanto, o conteúdo do currículo deve ser interessante para estas pessoas, a ponto de sentirem a necessidade de conversar com você antes de decidir qual profissional preencherá a vaga.

Quando você irá utilizar

– Para responder a anúncios de vagas, seja na Internet, em sites de empregos como a Curriculum.com.br, seja em jornais impressos ou outros meios;

– Para divulgar seu perfil na Internet, por exemplo, em páginas pessoais e redes sociais;

– Para distribuir às pessoas de sua rede de contatos quando necessário, sempre com o objetivo de fazer com que ele chegue a pessoas com poder de decisão na contratação de profissionais como você;

– Eventualmente para levar com você a processos seletivos presenciais, pois a empresa pode solicitar um currículo atualizado, e você deve estar preparado. Jamais seja pego de surpresa! Além disso, você pode personalizar este currículo especialmente para aquela vaga, destacando os pontos fortes de sua carreira que melhor atendam às necessidades daquela vaga ou empresa em questão.

Carta de apresentação

O que é

É uma carta que apresenta seu perfil profissional em resumo, contendo os pontos sobre o seu perfil, destinada preferencialmente de maneira mais personalizada possível para uma pessoa em uma determinada empresa que você ainda não conhece pessoalmente, mas que você identificou como um possível contratante, isto é, alguém que tem poder de decisão ou influência naquela empresa para contratar profissionais com o seu perfil.

Para que serve

– Para prospectar oportunidades em empresas de seu interesse, mesmo que ainda não tenham uma vaga anunciada com o seu perfil;

– Para despertar o interesse de pessoas com poder de contratação sobre o seu perfil, especialmente aquelas a quem você chegou a partir de sua rede de contatos;

– Para converter o interesse dessas pessoas, por exemplo, em possíveis encontros, almoços ou reuniões para troca de informações e, quem sabe, falar sobre oportunidades de emprego para você.

Quando você irá utilizar

– Quando tiver informações mais específicas sobre como você pode ser especialmente útil a uma empresa e puder utilizar essa informação na carta para atrair o interesse do destinatário;

– Quando você identificar pessoas com poder de contratação numa empresa de seu interesse, de preferência a partir de seu próprio networking, e desejar estabelecer um contato com elas.

Características especiais da carta

Assim como o currículo, a carta de apresentação merece artigos inteiros à parte aqui no nosso Manual da Recolocação. Mas, em resumo, a carta de apresentação ideal contém os seguintes itens:

– Breve apresentação sobre você e seu perfil profissional (breve mesmo!);

– Alguma informação relacionada à sua própria área profissional que seja relevante para o negócio da empresa à qual você dirige a carta, que possa estimular o destinatário a querer conversar com você;

– Sua disponibilidade para um contato mais pessoal.

A carta de apresentação envolve bastante trabalho: networking para se chegar às pessoas com quem você quer falar, pesquisas sobre a empresa, seus negócios, cultura organizacional, necessidades atuais e desafios, sobre a pessoa com poder de contratação (nome, cargo e qual a esfera de influência da pessoa nas contratações) e especialmente sobre o que a empresa espera de candidatos.

Apresentação pessoal

O que é

É a sua primeira comunicação ao se apresentar pessoalmente às pessoas de sua rede de contatos ou pessoas que você conhecer ao longo do processo e que possam te levar a oportunidades ou novos contatos.  É um discurso de no máximo X segundos, que você precisará ter, na ponta da língua, sobre quem é você e o que você faz de melhor. Você precisará treinar este discurso sem decorá-lo, até soar com naturalidade.

Para que serve

– Para comunicar de maneira clara e correta seu perfil profissional, suas principais qualidades e interesses profissionais, sem tomar tempo demais de seus ouvintes;

– Para causar uma excelente primeira boa impressão a quem você se apresentar.

Quando você irá utilizar

– Em seus primeiros contatos com pessoas que você tem interesse em adicionar ao seu networking.

Como já dissemos, assim como o currículo e a carta de apresentação, sua apresentação pessoal merecerá artigos à parte em nosso manual.

Até os próximos artigos!

Procurar trabalho é um trabalho

O jeito mais correto de buscar um emprego é encarar essa atividade como um trabalho: é necessário um expediente, um local de trabalho e rotinas diárias para acompanhar ou executar o andamento de todo o processo.

Dedique seu tempo como um expediente

Quanto mais tempo você dedicar ao seu processo, mais chances você terá. Para quem está sem emprego no momento, o ideal é 8 horas diárias, 40 horas por semana. E sim, você pode fazer seus intervalos. Eles podem ajudar a estimular sua criatividade, energia e autoestima. No mais, o expediente ajuda você a ter seu tempo para as providências na busca de emprego e ter seu tempo para o convívio em família e as atividades sociais de lazer, que também é muito importante manter.

Mas atenção: empregue a energia correta nesse tempo, planejando corretamente como você utilizará o tempo para cada atividade.

Planeje uma rotina diária

Devem fazer parte da sua rotina diária contatos com pessoas que podem ajudar a chegar mais perto do emprego, reuniões com estas pessoas, ligações para empresas-alvo, buscando oportunidades, envio de currículos e cartas de apresentação, dentre outras tarefas. É uma verdadeira campanha de marketing, em que o produto que você está vendendo é você mesmo!

Rotinas e armadilhas a evitar

No seu expediente em busca pelo emprego, você pode ter intervalos programados, mas evite distrações em excesso. Ligar a TV ou ficar nas redes sociais e na Internet podem ser grandes vilões. Evite gastar muito tempo com eles durante seu expediente na busca por um trabalho.

Planeje suas finanças durante a busca por emprego

Todos que passam pela busca de um novo emprego têm que continuar lidando com as contas a pagar. Esse ponto sempre gera ansiedade. Então, como lidar?

Para quem está sem emprego, planejar as despesas é a melhor opção. Já dissemos antes: o momento pede atitudes racionais. E as finanças devem ser racionalizadas também. Veja como:

Converse com a família

Em casos de demissão, é muito importante conversar com familiares e contar o ocorrido no mesmo dia em que receber a notícia. De imediato, peça o apoio e a compreensão de todos.

É importante colocar a cabeça no lugar, como já dissemos antes, e logo reunir a família, expor o momento de transição e que ele pode exigir que todos ajudem um pouco no controle de gastos, com pequenas ações que todos podem fazer, como por exemplo:

  • evitar compras por impulso ou que podem esperar;
  • preparar refeições em casa, evitando restaurantes;
  • desligar a luz quando não for usá-la;
  • tomar banhos mais rápidos;
  • até mesmo reduzir a pizza… etc.

Mostre que todos podem contribuir durante um momento que vai passar, e que você vai trabalhar para isso! Contagie a família com confiança, mas mostre que o momento exige pequenos cuidados que, somados, ajudam a atravessar o momento com mais tranquilidade. Envolva a família sempre de maneira positiva. Já dissemos antes: o copo deve estar sempre meio cheio! Explique que os tempos mudaram e que, atualmente, um processo de recolocação requer um trabalho intenso na busca de oportunidades, envolvendo vários contatos com diversos profissionais, e que você precisará da ajuda de todos para ampliar sua rede de contatos. Conquiste o apoio da família, inclusive para ajudar você em algumas tarefas que aparecerão durante o processo. E aproveite para conversar sobre o orçamento familiar e as economias necessárias para o momento.

Caso o orçamento doméstico se torne uma questão difícil, você deverá entender que seus familiares também se sentem aflitos e sob pressão. Portanto, seja também compreensivo nos momentos em que os ânimos se alterarem. Mas lembre-se: suas ações – e não palavras – e o modo como você se posiciona perante o problema são os fatores que trarão maior positividade ao ânimo de sua família. Agindo desta forma, certamente você poderá contar com a colaboração total de seus entes queridos.

Faça uma lista de despesas domésticas e familiares

É interessante obter algum conforto ao descobrir que você consegue reduzir algumas despesas. Para isso, você precisa saber onde seus recursos são gastos para poder, quando possível, reduzir o que é acessório ou desnecessário.

O ideal é você colocar suas despesas numa planilha para entender quais são seus custos fixos e identificar quais custos podem ser reduzidos. Se você não tem um editor de planilhas, saiba que existem várias versões gratuitas na Internet. Outra dica: existem vários aplicativos gratuitos para celular dedicados ao controle de despesas.

Não se esqueça de incluir nenhuma despesa mensal: água, luz, telefone, aluguéis, impostos, seguros de vida e de saúde, etc. Não despreze sequer os pequenos gastos diários ou semanais. Inclua diariamente todos os seus gastos na planilha durante um mês.

Após determinar que despesas você pode reduzir, você terá uma ideia de quanto tempo durarão os recursos que você tem, para ter uma visão sobre os seguintes assuntos:

  • Que outras fontes alternativas de renda você pode ter (trabalhos temporários, aplicações, venda de um bem, empréstimos com parentes)?
  • Reduzidos os custos, por quanto tempo seus recursos durarão?

Sim, é necessário encarar esta realidade. Mascará-la é tapar o sol com a peneira. Mas por mais assustador que possa parecer o prazo que você encontrar, é importante que você o conheça, pois ele ajudará a alinhar suas expectativas. Prazos mais curtos para se recolocar exigirão maior flexibilidade de sua parte para aceitar oportunidades que, mesmo que não sejam as ideais, ajudarão a manter suas contas equilibradas. E não se esqueça de que o melhor momento para se buscar um novo emprego é enquanto se está empregado.

Fuja dos juros, principalmente dos mais altos

Procure pagar todas as suas despesas à vista, evitando também atrasos e multas. Se você tem cartão de crédito e achou que é uma boa ideia utilizá-lo para fazer dívidas, mude já isso. As taxas de cartões de crédito são geralmente as mais altas do mercado. Se você já tem alguma dívida em cartão de crédito, procure entrar em contato com um gerente de seu banco e verifique a possibilidade de converter a dívida do cartão em outras formas. Juros de cheque especial e empréstimos pessoais costumam ser bem menores. Mas o ideal, sempre que possível, é fugir dos juros SEMPRE, sejam eles altos ou baixos. Portanto, o ideal mesmo é quitar dívidas se possível e eliminar os juros de suas despesas. Como nem sempre é possível, busque renegociações e juros menores sempre que possível.

A vida continua!

Não pense que, com tudo isso, você deve paralisar sua vida social. Pelo contrário, seus amigos, parentes e demais pessoas com quem você costuma se encontrar, por exemplo, em bares e restaurantes, poderão ser essenciais para a estruturação de seu networking pessoal. Assim, procure alternativas para continuar encontrando pessoas de suas relações.

Se possível, busque fontes alternativas de renda, mas tome cuidado: há muitas ofertas de trabalho alternativo no mercado que nada fazem a não ser tomar seu tempo e até mesmo seu próprio dinheiro.

O hábito da economia e atenção aos gastos domésticos será útil durante e após sua recolocação no mercado de trabalho. Cuidar bem dos recursos financeiros disponíveis para você o ajudará a manter sua autoconfiança e seu senso de planejamento, pontos que sem dúvida poderão valorizar você diante das empresas em processos de seleção.